Agenda de Seguridade para a Amazônia

Vínculo de seguridades sob ameaça

Os abundantes recursos naturais da Amazônia sustentam a seguridade hídrica, energética, alimentar e de saúde para as populações e economias da região e de outros lugares. No cerne dessa relação entre seguridades, está a água. Este recurso tão abundante na região se encontra, hoje em dia, sob crescente ameaça à medida que a poluição industrial e agrícola aumenta, e as secas extremas revelam uma outrora impensável vulnerabilidade hídrica.

Enorme riqueza continua a ser gerada pelos vastos recursos naturais da Amazônia, mas com altos custos ambientais e sociais. E, mesmo quando muitas de suas nações buscam produzir mais energia, minerais, metáis e produtos agrícolas a partir da região para atender crescentes demandas nacionais e global, os próprios cidadãos da Amazônia não compartilham igualmente dos benefícios gerados pela região.

Este desenvolvimento em larga escala tem sempre implicado em desmatamento. Mas, ao comprometer os ecossistemas da Amazônia, o desmatamento está agora ameaçando não somente o bem estar e os direitos das pessoas da região, mas também a sustentabilidade econômica das próprias indústrias que tem viabilizado.

Mudança Climática como um multiplicador de ameaças

A mudança climática multiplicará essas ameaças à medida que temperaturas crescentes, padrões alterados e mais frequentes de precipitação pluvial e eventos extremos intensos impactem ainda mais a seguridade hídrica, energética, alimentar e de saúde.

As secas, inundações e queimadas das últimas décadas poderiam indicar os desafios e oportunidades que se colocam adiante.

Uma nova agenda de seguridade

Isto clama por uma nova agenda de seguridade para a Amazônia. Não focada apenas na seguridade nacional no sentido tradicional, mas que, preferivelmente, atue para fortalecer as bases fundamentais de uma sociedade próspera – focada no acesso sustentável à agua, energia, alimentos e boa saúde para todos. Essas ‘seguridades’ estão sob crescente ameaça tanto isoladamente quanto combinadas, gerando riscos significativos para a população, os governos e a indústria.